Quatro estratégias da Forrester para a transformação digital

Quatro estratégias da Forrester para a transformação digital

13 de maio de 2022 0 Por LEF

De acordo com a Forrester, agência global de pesquisa e consultoria, as empresas tradicionais não podem confiar em continuar na fortune 500 em um futuro próximo. Eles terão que abrir espaço para disruptores como Uber, Amazon e Tesla. Se as empresas tradicionais querem continuar desempenhando um papel significativo na nova economia, então primeiro terão que passar por uma transformação digital completa.

Vamos tomar uma empresa extremamente tradicional, como um fabricante de cortador de grama como exemplo. Para sobreviver na nova economia, existem dois caminhos. Produzir cortadores de grama ainda mais sofisticados, como o mais popular cortador de grama autopropulsado, ou mude o modelo de negócio da venda de produtos para serviços baseados em assinatura.

Por exemplo, o consumidor poderia comprar, através de uma plataforma digital, a manutenção do gramado em vez de comprar seu próprio cortador de grama. Forrester também tem algumas ideias sobre como digitalizar com sucesso. De acordo com a agência de pesquisa e consultoria, as organizações que querem sobreviver devem adotar a estratégia digital sem reservas e não considerá-la como algo que pode ser feito de lado. Deve ter a maior prioridade para transformar digitalmente toda a organização.

As quatro estratégias de transformação digital de Forrester.

A transformação digital tomou o centro do palco durante dois Fóruns Forrester 2017 em Chicago, EUA, Londres e Reino Unido. Abaixo, eu dou uma visão geral das quatro principais estratégias que eu peguei nas apresentações de Forrester. Em princípio, essas estratégias podem ser combinadas sem problemas. 

  1. Experiência Digital – As empresas tradicionais podem aprimorar seus serviços com serviços digitais. Um bom exemplo de negócios para o consumidor é o Lego’s Digital Designer , um programa de computador que permite que as crianças construam e projetem. Um exemplo holandês é Albert Heijn, que também aplica cada vez mais elementos digitais em seu marketing. Considere, por exemplo, a mania das imagens de dinossauros no ano passado, permitindo que as crianças escaneiem as fotos e com óculos de realidade virtual tenham os dinossauros desempenhando um papel em suas vidas diárias.
  1. Processo de Produção Digital – Na indústria automotiva vemos uma mudança da padronização para a personalização. O processo de produção não está mais tão firmemente fixo como antes. Depois de ter encomendado um carro preto, um cliente ainda pode mudar de ideia e decidir que deve ser vermelho, porque sua esposa prefere vermelho. O fabricante dá ao consumidor a oportunidade de acompanhar o processo de produção através de uma espécie de processo de trilha e rastreamento e alerta os clientes em determinadas etapas. Você ainda quer mudar a cor? Então ainda pode mudar de ideia e escolher um carro vermelho ou branco.
  1. Ecossistema Digital – Digitalização não é algo que você faz por conta própria, mas por se envolver em parcerias com empresas que possuem expertise interna. Uma empresa de transporte que quer abrir uma loja de varejo, não tem que fazer isso sozinha. Isso também inclui colaborações envolvendo mídias sociais para empurrar produtos ou para se envolver em parcerias com empresas do setor para ir em conjunto ao mercado. Um exemplo é a fabricante de automóveis Nissan, que trabalha em conjunto com o fornecedor de software Maps Traffic. Sem as atualizações mais rápidas do mapa, o carro ainda não vai se mover, em suma, a Nissan precisa de Maps Traffic.
  1. Inovação Digital – Para empurrar os limites da inovação, um centro de inovação, no qual diferentes disciplinas são reunidas, é um terreno fértil onde as fronteiras digitais podem ser abordadas. No entanto, como cada país e região é diferente, é prudente ter um centro de inovação em todos os grandes mercados para poder inovar dentro do contexto daquela região e responder às exigências do mercado local. Para se manter com um exemplo da indústria automotiva: a Garagem possui um centro de inovação em todas as grandes cidades onde pessoas de diferentes disciplinas se reúnem para gerar e desenvolver novas ideias.

Lei de Retornos Acelerados

Existem várias leis que descrevem o crescimento tecnológico. Uma das mais conhecidas é a Lei de Retornos Acelerados. Esta lei descreve a taxa não linear, mas exponencial de mudança técnica ao longo do tempo. Em um momento você ainda está confortavelmente em sua curva, e no momento seguinte você já está tarde demais, por causa do “modelo de bastão de hóquei” de aceleração. Isso é extremamente urgente. O aviso de Forrester é que se você ainda não começou a transformação digital, você deve fazê-lo imediatamente e você precisa perceber que você tem que mudar, ainda mais rápido do que você pensa. No próximo blog, vou explicar como você pode fazer isso modificando seus processos operacionais.