Prepare sua empresa para a jornada pós-COVID

Prepare sua empresa para a jornada pós-COVID

2 de junho de 2022 0 Por LEF
Este artigo foi escrito por HCL Volt MX Team e traduzido pela LEF. Leia o artigo original  

Vamos tirar a parte óbvia do caminho: A COVID-19 teve – e continua a ter – um profundo impacto no mundo, e as empresas se esforçaram para se ajustar. A parte menos óbvia é como as empresas devem criar planos pós-COVID (ou viver com COVID) que respondam às novas realidades que cada indústria e empreendimento enfrenta.

Embora 2020-2021 certamente será lembrado como um período épico duro, houve algumas lições válidas para líderes empresariais inteligentes, que emergiram do caos da pandemia. A gestão empresarial deveria se concentrar em apoiar equipes em seus variados equilíbrios de vida profissional e pessoal, direcionar sua energia para frente, em vez de tentar recuperar o que existia antes de o \”distanciamento social\” se tornar onipresente.

Para fazer isso, é necessário um relato honesto do quanto mudou: trabalho, relações de trabalho, equilíbrio da vida profissional e pessoal, comunicação, fluxos de trabalho, experiências on-line, hábitos de consumo, segurança de dados, desenvolvimento de aplicativos, e assim por diante. Algumas mudanças resultaram de simples desespero e necessidade, enquanto muitas transformações já estavam em andamento e a COVID apenas as acelerou.

Independentemente disso, as empresas precisam se afastar da simples reação e começar a adotar estratégias que formarão a base para uma abordagem comercial de sucesso para o amanhã. Aqui estão quatro maneiras de sua organização poder prosperar em uma era pós-pandemia.

Faça o trabalho remoto funcionar ainda melhor

Não podemos falar de negócios e COVID-19 sem ter trabalho remoto no topo da lista. É óbvio, mas importante: a mudança em direção ao trabalho em casa, mudará para sempre como o escritório da empresa é utilizado pelo pessoal e implementado pelas empresas.

Uma pesquisa recente do Gartner com CFOs, revelou que 74% planejam mudar permanentemente os funcionários que anteriormente trabalhavam presencialmente, para o pós-COVID remoto. Um estudo do Centro de Pesquisa Pew entre trabalhadores, revela que 54% querem continuar trabalhando de casa após o fim do coronavírus, e foi estimado que até 2025 cerca de 70% da força de trabalho irá trabalhar remotamente 5 dias por semana. O tempo dirá quais serão os números exatos, mas o trabalho remoto se transformou de uma vantagem ocasional, para um modo de vida legítimo tanto para os funcionários, quanto para as organizações.

Então, como as empresas podem planejar para essa realidade?

Abrace os benefícios do low-code

O valor potencial do desenvolvimento de low-code, se encaixa perfeitamente na situação em que muitas empresas se encontram hoje: procurando maneiras rápidas de gerar soluções e ser inovadores na jornada da transformação digital. O desenvolvimento de aplicativos de low-code, acelera todo o processo de projeto, desde o desenvolvimento inicial de protótipos, até o lançamento e testes.

Gartner previu que os mercados mundiais de desenvolvimento de aplicativos de baixo código totalizariam US$ 13,8 bilhões em 2021, mais de 22% a partir de 2020, impulsionados pela combinação de uma tecnologia já em expansão, com uma demanda crescente por criação mais rápida de aplicativos e software personalizável. Ele só pode crescer a partir daqui.

A COVID forçou as organizações a responder imediatamente aos problemas e encontrar soluções e maneiras, de lugares não tradicionais. Capacitar as organizações com uma plataforma que as ajude a projetar aplicativos, irá acelerar o processo de desenvolvimento, economizar tempo e dinheiro, e impulsionar a criatividade dentro da empresa.

Proporcionar experiências digitais de qualidade

À medida que mais pessoas se envolvem com o mundo através dos espaços digitais, é crucial que as empresas proporcionem experiências imersivas, que sejam adaptadas às necessidades precisas do público. Um estudo da McKinsey descobriu que durante a pandemia, 80% das interações com os clientes eram de natureza digital, e as expectativas dos consumidores só continuaram a aumentar e se tornaram mais refinadas e matizadas.

À medida que as jornadas on-line amadureceram, o entendimento fundamental do que constitui uma experiência satisfatória para o usuário ou cliente, foi afiado. A imersiva opcionalidade da Amazon, o empurrão personalizado da Netflix, estas plataformas remodelaram os padrões básicos das pessoas, sobre o que uma visita on-line pode – e deve – ser.

Sem dúvida, mais pessoas estão fazendo compras, pesquisando e gastando on-line, e não estão esperando mais do que alguns segundos para que um vídeo seja carregado ou um link apareça. Se eles não estiverem engajados, eles se vão tão rápido quanto chegaram.

As experiências precisam ser feitas de forma imersiva, intuitiva e personalizada para o usuário. Elas devem incorporar as últimas tecnologias de reconhecimento de voz e de IA, e acessíveis em dispositivos móveis, vestíveis, etc. Crie uma experiência digital dinâmica que seus clientes acharão excitante e valerá a pena, ou os verá clicando no link de um concorrente.

Segurança é estabilidade

O sucesso de sua estratégia depende em grande parte de quão segura é sua operação. Você pode ter uma plataforma de colaboração de última geração para suas equipes, uma interface de site de ponta, e a plataforma de low-code mais rápido do mundo mas, se a segurança for questionável, no fim acabará falhando.

Muitos fatores contribuem para um ambiente empresarial menos seguro: trabalho mais remoto, maior dependência de dados sensíveis viajando para redes compartilhadas, novos problemas de acessibilidade e ameaças cibernéticas em constante evolução e maliciosas.

O resultado final, é que as organizações precisam fazer tudo o possível para proteger os dados da empresa, do pessoal e dos clientes. Investir em infraestrutura segura e priorizar plataformas que tenham histórico comprovado de segurança empresarial.

Seja a empresa que você quer ser, não a empresa que você pensa que foi.

Crie a empresa do jeito que deve ser

O ano passado foi perturbador de muitas maneiras, e também esclarecedor.  A digitalização acelerou trazendo inúmeras vantagens para o consumidor, mudanças para o colaborador e quebras de paradigmas para empresas. É somente um dos exemplos que comprova que o controle é uma ilusão e que mudanças vem com um impacto cada vez maior e mais rápido, e a única solução que nós temos, é construir uma empresa que se adapta com facilidade aos novos desafios. Quanto mais flexível uma empresa é, mais consegue transformar ameaças em oportunidades e prosperar no mundo volátil.

A pandemia acelerou a transformação digital, e para continuar inovando e modernizando, plataformas low-code não podem faltar na sua caixa de ferramentas tecnológicas. Mesmo com a falta de profissionais da área, elas permitem a flexibilidade e agilidade que os seus clientes esperam de voce.

Quero receber novos artigos por assinatura?