No-Code e low-code são o futuro do software

No-Code e low-code são o futuro do software

2 de junho de 2022 0 Por LEF
Este artigo foi escrito por Katherine Kostereva e traduzido pela LEF. Leia o artigo original 

Cinco pontos críticos para o sucesso em 2022 e além

No início de 2021, Gartner lançou uma nova previsão para ferramentas de desenvolvimento de low-code/no-code. Impulsionado por um aumento no trabalho remoto devido à pandemia de Covid-19, Gartner projetou um aumento de 23% para o mercado global para este tipo de tecnologia. Nos meses que se seguiram, as ferramentas de low-code/no-code registaram um crescimento constante, devido à sua eficácia na abordagem de alguns dos desafios mais complicados da tecnologia – principalmente a necessidade crítica de digitalizar os fluxos de trabalho, melhorar as experiências dos clientes e empregados e aumentar a eficiência das equipe s comerciais e operacionais.

De acordo com a Harvard Business Review, as plataformas de low-code/no-code evoluíram de apenas facilitar ferramentas específicas de função, para tornar possível  um leque mais vasto de empregados empresariais, possuir verdadeiramente a sua automatização e construir novas aplicações de software sem codificação, ao mesmo tempo que aumenta a capacidade organizacional.

As ferramentas de low-code/no-code, também chamaram a atenção no contexto da Grande Demissão, pois é notório para quem utiliza, que as plataformas de LCNC tornam mais fáceis para as empresas lidar com a atual escassez de talento em engenharia e desenvolvimento. Um número crescente de empresas e líderes de TI estão aproveitando as possibilidades das ferramentas de low-code/no-code, à medida que as organizações trabalham para transformar mais dos seus empregados em empreendedores cidadãos.

À medida que o movimento continua e a adoção aumenta em indústrias chave, desde os serviços financeiros à produção, as organizações precisam prestar atenção a estes cinco tópicos, a fim de melhorar o desempenho das suas novas ferramentas e assegurar o sucesso das suas iniciativas de baixo low-code/no-code.

1. Endereçar a segurança em plataformas de low-code/no-code

É claro do porque os executivos veriam os benefícios comerciais da adoção de plataformas e ferramentas de código LCNC. Ao dar aos funcionários que não são de TI a oportunidade de construir suas próprias aplicações comerciais, uma organização pode destravar novas áreas para um rápido crescimento. Entretanto, alguns executivos são cautelosos. Como os desenvolvedores cidadãos têm a oportunidade de construir novas aplicações, a governança será importante. O pessoal de TI precisará oferecer guias e tê-los em plataformas de low-code e no-code para manter níveis consistentes de segurança em toda a organização.

Para as empresas que integram novas ferramentas de low-code/no-code em sua caixa de ferramentas tecnológicas, ou que aproveitam as ferramentas existentes, é importante lembrar de algumas das melhores práticas atuais e mais comuns de segurança cibernética: treinar cada funcionário da organização sobre o bom comportamento de segurança e usar a compartimentação e o acesso limitado para evitar oportunidades de erros.

2. Contratação, treinamento e organização de trabalho para desenvolvedores no-code

Incentivar os funcionários a se tornarem desenvolvedores no-code e criar suas próprias aplicações comerciais, requer uma mudança de mentalidade para todos na organização. Isto inclui processos abrangentes como contratação e treinamento, pois as características que fazem um bom desenvolvedor cidadão podem ser diferentes daquelas que uma empresa buscava anteriormente. Acima de tudo, um bom desenvolvedor cidadão está disposto a ser criativo e assumir riscos.

Embora os próprios funcionários devam ser livres para criar suas próprias ferramentas e soluções, cabe à organização criar as estruturas que lhes permitirão ter sucesso. As empresas que adotam ferramentas de low-code/no-code devem garantir que os funcionários tenham acesso a treinamento, materiais de referência e políticas que os ajudarão a alinhar suas operações com outras unidades de negócios e com a empresa como um todo.

3. Alinhamento organizacional para desenvolvimento
low-code/no-code

Plataformas de low-code/no-code democratizam a capacidade de criar novas aplicações de software, tornando possível que departamentos ou unidades individuais, resolvam problemas sem a necessidade direta de contar apenas com os escassos recursos de TI. Para empresas sem código, a harmonização dos fluxos de trabalho é um requisito fundamental para o sucesso.

Em uma organização de low-code/no-code, os departamentos devem ser capazes de trabalhar sem sigilo e se comunicar livremente entre as funções. Plataformas de low-code/no-code facilitam a passagem de informações de uma área da empresa para outra e padronizam as abordagens de desenvolvimento entre as equipes de negócios e de TI. Esta ênfase na abertura e alinhamento, deve vir do topo, fornecendo justificativa para que os funcionários em todos os níveis busquem novas soluções.

4. Abraçando a Hiperautomação para o Progresso Rápido

De acordo com as \”Top Strategic Technology Trends for 2022\” de Gartner, a hiperautomação crescerá rapidamente nos próximos três anos, tanto em termos de implantação quanto de investimento. A hiperautomação orientada pelos negócios, permite que as organizações \”identifiquem, examinem e automatizem rapidamente o maior número possível de processos do negócio e de TI\”. As ferramentas de low-code/no-code estão preparadas para desempenhar um papel de liderança nesta corrida armamentista de hiperautomação. As organizações que adotam uma abordagem centralizada e coordenada da hiperautomação, serão capazes de encontrar novas eficiências que mapeiam diretamente para seus objetivos comerciais.

5. Acelerando entregas com aplicações de componentes

Entre os aspectos distribuídos do trabalho híbrido e a mudança de responsabilidades possibilitada pelas plataformas de low-code/no-code, a estrutura das equipes comerciais modernas, mudou significativamente nos últimos dois anos. A componibilidade é a capacidade de montar componentes de aplicação em várias combinações, para satisfazer exigências específicas. Ela torna possível as organizações aumentar a produção e acelerar os prazos para inovação de forma altamente personalizável.

As organizações devem tornar-se cada vez mais o que o Gartner está chamando de \”empreendimento compostável\”. As organizações de low-code/no-code em 2022 e além, podem abraçar a fusão do pessoal de TI e de negócios, capacitando-os com aplicações compostáveis, para acelerar o tempo de lançamento de novas soluções no mercado. As organizações de low-code/no-code, APIs e outras ferramentas estão permitindo que as empresas integrem novas aplicações em sua pilha de tecnologia existente de uma maneira mais perfeita com uma abordagem \”lift-and-shift\” versus \”rip-and-replace\”

Sabemos que as plataformas de low-code/no-code continuarão a crescer em 2022, com base na projeção da Gartner de US$ 5,8 bilhões para o mercado de plataformas de aplicação de low-code. No entanto, a medida em que essas plataformas farão a diferença, dependerá de abordagens e implementações individuais. As empresas bem sucedidas poderão capitalizar as oportunidades emergentes para aplicações de low-code/no-code e, ao mesmo tempo, construir a estrutura organizacional e de segurança necessária. As empresas que o fizerem, colherão as recompensas de maior agilidade, criatividade e crescimento, colocando-os na posição de pólo por anos a fio.